Trabalhando em ambientes com domínios diferentes de forma fácil no WordPress – Mágicas no wp-config Parte I

Trabalhando em ambientes com domínios diferentes de forma fácil no WordPress – Mágicas no wp-config Parte I

Esse é o primeiro post da série, fazendo mágica no wp-config.

Para quem não conhece ou não esta familiarizado com o WordPress, o wp-config.php é o arquivo de configuração de do cms, que contém diversos defines para configuração da aplicação.

A ideia de escrever uma sequencia de artigos relacionado a um mesmo arquivo surgiu de uma submissão não aceita para uma palestra, na qual queria mostrar as diversas possibilidades do wp-config.php, mostrando que não é apenas um arquivo de configuração de banco de dados. Como não podia deixar de passar o conhecimento para frente, aqui estou eu escrevendo esse humilde primeiro post de uma série de posts relacionado ao wp-config.php.

E nesse arquivo tem diversas possibilidades, algumas delas bem uteis, outra legais e outras no mínimo curiosas.

Mas de inicio, o parte I, merece uma dica bem útil.

Vejo muita gente com grandes dificuldades em manter ambientes de produção, homologação e desenvolvimento, por conta das urls, e por default o WordPress salvar isso na base de dados. Muitas das vezes o usuário quer ir cadastrando informação mesmo sem o site ter ido ao ar, quer que vá com uma carga de dados, mas isso na instalação em outro ambiente que não tenha a url definitiva pode dar prolema.

Diversos sites dão dicas importantes de querys utilizando replace para migrar os domínios de todas imagens, urls de posts e de menu. Mas isso não se faz necessário, no wp-config.php existem diversos defines que podem ser utilizados e dois deles servem justamente para poder facilitar isso.

São os defines a seguir:

define(‘WP_HOME’,’http://novosite.com’);

define(‘WP_SITEURL’,’http://novosite.com’);

Outra ideia maneira é:

define (‘WP_HOME’, ‘http: //’. $ _SERVER [‘SERVER_NAME’]);

define (‘WP_SITEURL’, ‘http: //’. $ _SERVER [‘SERVER_NAME’]);

Correspondem ao Endereço do WordPress (URL), e ao Endereço do site (URL).

Os pontos positivos:

  • Diminui uma requisição no banco, pois esta salva no define e não precisará chegar a base de dados para saber a url.
  • Facilidade de migração para ambientes de desenvolvimento, desenvolvimento e homologação.
  • Facilidade na migração de domínios.

Os pontos negativos:

  • Bloqueio da configuração interna da url pelo wp-admin.

Em breve, veremos, como cadastrar usuário através do wp-config, como utilizar defines para melhorar a segurança do site e não estamos falando de chaves.

 

Leave a reply